quinta-feira, 28 de abril de 2016

PARABÉNS FILHO


Hoje é um dia como tantos outros, mas não é igual aos outros. Faz hoje 24 anos que tu nasceste e iluminaste a minha vida. Não trouxeste manual de instruções, fiz muitas asneiras e disparates, mas lá conseguimos progredir e ir aprendendo a cada dia sempre novas experiências e descobertas. Crescemos juntos por estranho que pareça. Obrigada por seres o filho maravilhoso que tu és, sim porque todas as mães acham sempre os seus filhos os mais lindos, mas tu não só és o mais lindo, como o mais especial, sem esquecer a princesa linda que eu também tenho e amo e que também é mesmo especial. Parabéns Fábio, meu filho amado do coração, que sejas feliz, que consigas realizar todos os teus sonhos, mesmo que isso signifique ires contra ideias pré-concebidas e estipuladas, vais ter sempre o meu apoio incondicional, em todas as tuas aventuras e maluquices, sim porque a vida é para ser vivida com vontade e não tem de ser sempre tão séria, maluquices fazem falta e ajudam a evoluir, a descontrair. Quero que sejas tu sempre e acima de tudo, que sejas FELIZ!

Amo-te muito, não existem palavras para exprimir o que sinto por ti e pela tua irmã, só sei dizer que valeu a pena viver para vos ter.

Beijinhos de Luz na tua Alma!


Da Mãe AnaMaria  

segunda-feira, 25 de abril de 2016

A REVOLUÇÃO DO 25 DE ABRIL DE 1974


Hoje comemora-se em Portugal o 25 de Abril, dia em que Portugal se libertou da ditadura e fez a revolução dos cravos, dia em que o Povo de ergueu e de pé fez ouvir as suas vozes contra um regime opressor o Estado Novo. Na manhã de 24 de Abril de 1974 um grupo de militares comandados por Otelo Saraiva de Carvalho, instalou secretamente o seu posto de comando do movimento golpista no Quartel da Pontinha. Às 22:55 começa a ser transmitida a canção de Paulo de Carvalho “E depois do Adeus”, pelos Emissores Associados de Lisboa, este é um sinal combinado pelos golpistas e que desencadeia a tomada de posições naquela que foi a primeira fase do golpe de estado. O segundo sinal viria por volta das 0h20m quando na Rádio renascença começa a tocar a canção de Zeca Afonso “Grândola Vila Morena” e que vem confirmar e marcar definitivamente o início das operações no terreno pelos Militares das Forças Armadas - MFA. Foi um movimento de jovens capitães de Abril, que rápidamente se transformou numa revolução de Liberdade, sem derramar sangue nas ruas, pacificamente.

Foi Celeste Caeiro que distribuiu aos soldados cravos vermelhos, que estes colocaram no cano das suas espingardas, daí ser conhecida pela Revolução dos Cravos, pois não houve derramamento de sangue, como em tantas outras revoluções. Na foto em cima pode-se ver o Capitão Salgueiro Maia.

Eu vivi durante a época da ditadura, tinha 8 anos quando se deu a revolução do 25 de Abril. Lembro-me de que não se podia falar livremente nas ruas, as pessoas não se podiam juntar para conversar, pois isso era considerado como um atentado contra o regime. Lembro-me de em minha casa se falar baixinho, porque por cima de nós morava um informador da PIDE (Policia Internacional e de Defesa do Estado), de o meu pai ter sido levado por eles algumas vezes, acusado de possuir manifestos contra o regime em nossa casa e de revoltarem e espalharem tudo pelo chão, espisoteando tudo à sua saída na frustração de nada encontrarem. Lembro-me de na escola primária cantarmos a Portuguesa e de estar separada dos meninos, uma parte da escola era masculina e a outra feminina, nós não nos cruzávamos, nem brincávamos juntos no recreio. Não existia a coca-cola, hambúrgueres, o bacalhau era a comida dos pobres, e não havia produtos vindos do estrangeiro. Lembro-me perfeitamente de existir a censura, não sabia na altura o que isso era, mas nas cartas que chegavam da minha família que estava no Alentejo nas Galveias, vinham todas riscadas a vermelho, a minha mãe lia “Censurado”, mal se conseguia perceber as novidades e o teor das cartas. As mulheres não tinham os mesmos direitos dos homens. Emigrar era uma missão impossível durante a ditadura, ia-se a “salto” na calada da noite e passava-se a fronteira, com a ajuda dos que conheciam as “raias” tão bem como as palmas das suas mãos, por entre caminhos sinuosos e acidentados, com malas de cartão apertadas contra o peito cheias de esperança de uma vida melhor e vazias de nada, para destinos como França, mas onde a realidade se revelaria também ela traiçoeira e muitas destas pessoas iriam viver em condições sub-humanas e exploradas. Lembro-me de existirem crianças sem pai, porque eram filhos de pai incógnito, a lei permitia isso.

Hoje olho para trás e vejo que passados 42 anos da Revolução de Abril, muito se perdeu e não se cumpriu. Como muito se evoluiu e melhorou. É como se a Revolução do 25 de Abril fosse um pau de dois bicos, uma moeda de duas caras, ou as duas coisas juntas. Temos o antes, o depois e o actualmente. O que melhorou no depois? Bem, passou a existir segurança social e a saúde melhorou bastante, as Artes puderam crescer e expandir-se em toda a sua magnitude, passamos a poder ir a um teatro, um cinema. A escola que era só obrigatória até à 4ª classe, evoluiu muito e permitiu novas hipóteses de emprego e acesso a universidades, no geral sem dúvida que as condições de vida melhoraram. No entanto e porque nunca a liberdade de cada um nunca se deve de sobrepor à liberdade dos outros é aqui que começa sem dúvida a regressão na condição de vida dos Portugueses no actualmente. Se na ditadura tínhamos de falar baixinho porque a PIDE podia ouvir pois tinha informadores em todos os lados, hoje podemos ter os nossos telefones sob escuta e as nossas contas bancárias conhecidas com ordem do próprio Estado Português e nem sabemos. No Antigo Regime Salazar e Marcelo Caetano, eram os fascistas que nos oprimiam com a ditadura e nos exploravam, hoje os nossos opressores são os bancos, pagamos dívidas que nós o povo não contraímos, para os sustentar e ajudar à sua vida de luxo com as suas contas offshore e Panamá. Não sou filiada em nenhum partido político, porque creio que quem faz política deveria de a fazer por gostar da política e não de um salário escandaloso e de uma reforma antecipada milionária. Não sou saudosista “dos tempos da outra senhora”, muitas pessoas sofreram na pele coisas que eu nem sequer posso imaginar durante a ditadura e é por respeito a todas essas pessoas torturadas e sonegadas dos seus direitos como seres humanos livres que eu hoje celebro com muito orgulho o 25 de Abril e a Revolução. As mudanças foram boas, mas não posso deixar de pensar que ainda e cada vez mais existem crianças a desmaiar na escola porque os pais não tem comida em casa para lhes dar o pequeno almoço, os idosos não tem dinheiro para comprar medicamentos que lhes fazem falta e que por vezes lhes custam a própria vida, depois de terem trabalhado e contribuído para o sistema social toda a sua vida a nada têm direito. E que depois de tudo o que se lutou para a igualdade não me esqueço da frase: “A Terra a quem a trabalha”, ainda e infelizmente cada vez mais existem pessoas que como eu que pagam os seus impostos e que trabalham todos os dias em condições precárias, exploradas e humilhadas pelos patrões que cada vez enriquecem mais à nossa custa, à custa do que nos roubam, dos ordenados miseráveis que nos pagam e dos anos que nos sugam a viver constantemente nesta realidade. E a realidade é que os ricos estão cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres. Temos direito pela nossa Constituição a uma vida digna em liberdade e que nos permita garantir e assegurar o bem-estar das nossas famílias. Que me perdoem os mais letrados e conhecedores dos meandros da política, a minha insubordinação e revolta, mas enquanto a realidade do nosso País continuar a ignorar os direitos que nos estão consagrados na nossa Constituição e insistirem em que qualquer dia destes ainda temos de pagar para trabalhar para Patrões chupistas que distribuem entre si, o lucro da miséria do povo, nunca existirá uma verdadeira democracia. Nem aqui nem em nenhum lugar no mundo!


Como disse Jorge de Sena: “Não hei-de Morrer sem Conhecer a Côr da Liberdade”.

AnaMaria

MUITA LUZ!

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA
Artigo 9.º
Tarefas fundamentais do Estado
São tarefas fundamentais do Estado:
a) Garantir a independência nacional e criar as condições políticas, económicas, sociais e culturais que a promovam;
b) Garantir os direitos e liberdades fundamentais e o respeito pelos princípios do Estado de direito democrático;
c) Defender a democracia política, assegurar e incentivar a participação democrática dos cidadãos na resolução dos problemas nacionais;
d) Promover o bem-estar e a qualidade de vida do povo e a igualdade real entre os portugueses, bem como a efectivação dos direitos económicos, sociais, culturais e ambientais, mediante a transformação e modernização das estruturas económicas e sociais;
e) Proteger e valorizar o património cultural do povo português, defender a natureza e o ambiente, preservar os recursos naturais e assegurar um correcto ordenamento do território;
f) Assegurar o ensino e a valorização permanente, defender o uso e promover a difusão internacional da língua portuguesa;
g) Promover o desenvolvimento harmonioso de todo o território nacional, tendo em conta, designadamente, o carácter ultraperiférico dos arquipélagos dos Açores e da Madeira;
h) Promover a igualdade entre homens e mulheres.

terça-feira, 12 de abril de 2016

A LUZ DA COMPAIXÃO

Retirado de: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/77/25/43/7725432706f16b999943c82fc198ff55.jpg

Hoje o meu coração é como uma ilha com saudades de um habitante, um qualquer, humano ou bicho, desde que aqui habitasse. Gostava de me sentir esplêndida hoje, mas não, não sinto. Teimo em olhar o horizonte com uma grande e enorme vontade de fugir, fugir daqui para nunca mais cá voltar. A meio de um almoço em que as lágrimas me caíam na sopa, entrou no restaurante um homem, não um homem qualquer (para os convencionais que se consideram humanos...), os olhares trocaram-se e alguns remexeram-se nas cadeiras incomodados com a sua presença, eu disse-lhe boa tarde como de costume, aparece ali muitas vezes, este homem é o João um dos arrumadores de carros aqui no Cais do Sodré. Ele hoje vinha com um brilho especial nos seus olhos, as donas do restaurante perguntaram-lhe se ele queria alguma coisa para comer, ou um café? Ao que ele respondeu, um café quero sim senhor, sabem é que hoje faço anos. Fazes anos disse a Ana, quantos? 41 respondeu o João. A Cláudia disse, queres beber alguma coisa? Não, disse o João, já bebi muito na vida, mas há muitos anos que tou limpo. Então comes uma musse, disse a Ana. Não obrigada, fico bem com o café, disse o João. A cláudia veio lá de dentro da copa e deu-lhe um beijinho de Parabéns, assim do nada. O João ficou brilhante, cheio de luz, como se tivesse recebido o melhor presente do mundo. É que o João não precisava, nem queria nada de extraordinário neste dia dos seus anos, só carinho, atenção, compreensão e compaixão e foi precisamente isso que ele recebeu hoje, aqui no Cais do Sodré na BDO – Bifanas Bar. 
Nesse momento tão especial que passou despercebido a todas as pessoas que lá se encontravam a almoçar, o meu coração encheu-se de lágrimas de alegria, por ter a sorte de ter a amizade de duas pessoas tão especiais e humanas como a Ana e a Cláudia donas do BDO. Queria muito que a vida lhes sorrisse mais, porque adorava vê-las realizadas e felizes, porque pessoas como elas merecem, gosto e Amo pessoas que como elas não fazem distinção entre ninguém, recebem todos como normalmente deveríamos de receber sempre, como irmãos. Terminei o meu almoço mais quente e aconchegada pela maravilhosa sopa que comi, mas não só, o meu coração veio trabalhar mais tranquilo pois trouxe comigo para o escritório 3 pessoas lindas e especiais, a Ana, a Cláudia e o João. O meu coração já não é mais uma ilha.

Descobri que a minha vida é feita assim, destes pequenos retalhos que vou costurando dia, após dia, são eles que fazem com que valha a pena viver esta vida de porcaria.

AnaMaria

MUITA LUZ!

BDO - Bifanas Bar, fica na Rua de S.Paulo, 33 em Lisboa no Cais do Sodré.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...