segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

NATAL E HUMANIDADE NOS VOSSOS CORAÇÕES!


“Esta é a Minha Simples Religião.
Não Há Necessidade de Templos;
Não Há Necessidade de Filosofias Complicadas.
Só o Nosso Cérebro,
E o Nosso Coração
São o Nosso Templo;
A Filosofia Existente é
A Bondade.”
S.S. Dalai Lama

Desejo a todos um Natal cheio de Paz.

Não desejo prendinhas no sapatinho, pois não acredito ser esse o espírito do Natal. Desejo antes que todas as famílias se possam reunir em volta de uma mesa onde exista comida suficiente para que todos se saciem, mesa onde não haja sobras para o dia seguinte devido a tanta fartura, mas antes uma mesa onde sobre isso sim, abraços e muita ternura para com os mais idosos e onde os animais também sejam comtemplados. Desejo que para muitos de Vós Haja um Tecto para Vos Proteger do Frio, e uma Mão que segure a Vossa, para Vos Aquecer o Coração.


Desejo do fundo do meu humilde Ser, que o vosso Natal seja repleto não de Consumismo,
Mas de Humanidade!


Beijinhos de Luz nos Vossos Corações.

Muita Luz!
Ana Maria 

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O PODER DA PAZ - S.CHAGDUD TULKU RINPOCHE


"É meu desejo que o poder espiritual da paz toque cada pessoa na Terra, irradiando de uma paz profunda em nossa mente, atravessando as fronteiras políticas e religiosas, e indo além das fronteiras do ego e da convicção de sermos os donos da verdade. Nossa primeira tarefa como pacifistas é remover os conflitos internos causados pela ignorância, raiva, apego, inveja e orgulho. Nós deveríamos buscar uma paz interior tão pura e estável, que seria impossível sermos levados pela raiva diante daqueles que lucram e vivem com a guerra, ou pelo autocentrismo e medo daqueles que nos confrontam com desprezo e ódio.
Uma paciência extraordinária é necessária para que trabalhemos pela paz mundial, e a fonte dessa paciência é a paz interior. Esta paz nos permite ver claramente que a guerra e o sofrimento são os reflexos externos dos venenos da mente. A diferença essencial entre os pacifistas e aqueles que promovem a guerra é que os primeiros têm disciplina e controle sobre a raiva egoísta, o apego, a inveja e o orgulho, ao passo que os outros, devido à ignorância, fazem com que esses venenos se manifestem no mundo. Se você realmente entender isto, nunca se permitirá ser derrotado interna ou externamente.
No Budismo Tibetano, o pavão é o símbolo do bodisatva, o guerreiro desperto que trabalha pela iluminação de todos os seres. É dito que o pavão se alimenta de plantas venenosas, mas transforma o veneno nas cores magníficas de suas penas, sem se intoxicar. Da mesma forma, nós, que defendemos a paz mundial, não podemos nos envenenar com a raiva. O trabalho pela paz é um caminho espiritual em si mesmo, um meio de desenvolver as qualidades perfeitas da mente e testá-las em situações de necessidade urgente, sofrimento extremo e morte. Não tenha receio de dar-lhe seu tempo, energia e apoio."

S. Ema. Chagdud Tulku Rinpoche
MUITA LUZ!
Foto retirada de pesquisa na net, desconheço o seu autor. 

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

DISSERTAÇÕES SOBRE A PUTA DA VIDA

Bem, dissertações ou desabafos, o que é certo é que tanto uma como a outra me estão na alma a martelar constantemente. Que me perdoem os mais púdicos o título do tema da minha escrita, mas por vezes estes arcaísmos que utilizo para expressar o mais profundis de mim, caem que nem ginjas!

Vou começar pelo começo, pelo menos aquele que eu conheço.
Quando eu era pequena, e pequena julgam vocês com 4 a 5 anos, mas estão redondamente enganados, porque pequena na minha humilde história era quando eu tinha meses de idade e estava deitada na minha cama de grades e via as caras enormes e horrorosas das pessoas que se espremiam para entrarem dentro da minha cama a me aterrorizarem ainda mais, com os seus sorrisos estranhos e bafos de se desmaiar, creio que em 1965 não era muito popular lavarem-se os dentes, era mais o palitar ao fim das refeições, pois dava sempre jeito um naquito de carne que lá se enfiava no meio dos dentes e que depois se podia mastigar mais tarde. Bem, talvez qui ça, venha daí a minha natural aversão por pessoas. Também nunca ninguém me explicou que eu teria de vir a lidar no meu dia-a-dia com estas pessoas estranhas, porque se mo tivessem dito na altura, era mais que certo que eu teria pegado no meu biberon, na minha almofada querida de sumaúma e nos meus almanaques do Patinhas e tinha desalvorado dali para fora, mas não, ali permaneci embalada pela mentira e pela esperança de que iria ter uma vida promissora.

Promissora só se foi pelas atribulações constantes a que fui submetida, sem pormenores sórdidos e explicações detalhadas, porque isso já nós temos em horário nobre nos telejornais, a única coisa que vos posso garantir é que me eduquei o melhor que pude, não tive referências que me guiassem, nem quem me protegesse ou defendesse, apesar disso, fiz o melhor que pude por mim. Aprendi com muitos erros, esfolei mãos e joelhos, fiquei muitas vezes transformada em um monte de cacos velhos, mas tratei das minhas feridas e segui em frente, também não tinha a quem me queixar, nem habituada estava a tal mordomia, desde que me conheço gente, que lá em casa não nos podíamos queixar, era aguentar e mais nada. 
Ninguém me orientou, ninguém me avisou que as decisões que tomamos hoje, seriam o nosso dia de amanhã, escolhido por nós. Aprendi às minhas custas que nunca poderei culpar ninguém sobre nenhuma situação que hoje menos me agrade, pois fui eu que a escolhi! Não quero de modo algum parecer vítima, nem coitadinha ao escrever estas palavras, porque não o sou de todo! Eu sou muito senhora do meu nariz, (um dos meus defeitos),e não mudava nadinha da minha vida pessoal, os meus filhos são a única coisa que realmente AMO na vida, dou sem pestanejar, nem hesitar a minha vida por cada um deles, deixo ao critério de quem manda lá em cima como me dividir para dar metade de mim igualzinho a cada um. Dar-lhes-ei sempre tudo, tudo o que precisarem e que desejarem, desde que eu ache razoável, é claro. 
Quanto à minha vida profissional, eu mudaria muito, mas mesmo muito, não gosto de estar fechada num escritório a ver as horas e os dias a passar e a receber uma miséria de salário pelo meu precioso tempo, se fosse hoje à 22 anos atrás eu teria mesmo sem salário me dedicado àquilo que realmente me ocupa a alma, ajudar os outros. Teria ignorado as vozes que me fizeram estar hoje na situação em que estou e estaria no meio dos pobres e sem abrigo sem salário mas feliz. Como é que eu teria criado os meus filhos? Fazendo artesanato, andando de feira em feira, trabalhando aqui e ali. Confesso que tenho alma de saltimbanco, ser hippie está-me na massa do sangue. Tenho de controlar estes ímpetos, pois vivo numa sociedade de betão em que a natureza para esta gente só existe para um bando de privilegiados que possuí casa de férias fora da cidade, mas em condomínios fechados, e este é o conceito deles de natureza... 
Ao atingir a faixa dos 50 e já falta tão pouco, o meu coração chora por falta dos elementais, da natureza, da humildade de quem abre a porta e oferece um naco de pão e um copo de vinho, anseio pelas gentes onde existe sempre lugar para mais um e um prato de sopa é uma iguaria oferecida com todo o amor.
Nunca vou dizer aos meus filhos qual o melhor caminho a seguirem, ou qual o certo e o errado, terão de o descobrir por si mesmos, e não me importo de correr o risco de me culparem das suas más escolhas. Tenho plena consciência de que lhes transmiti tudo o que precisam para serem felizes na vida, basta que para isso ouçam a sua vozinha interior e a sigam. Eu estarei sempre por perto, mesmo que alguns quilómetros nos separem algum dia, pois o meu coração não pertence à cidade, aqui morro a cada dia que passa. A minha alma precisa de liberdade. Como eu costumo dizer “Eu não hei-de morrer sem ter a minha casinha no campo”, e ao contrário de algumas pessoas que afirmam ser um sonho meu, daqui a uns tempos vão ficar de boca aberta literalmente ao ver que o que era um sonho tornou-se realidade. Dinheiro para comprar uma casa no campo, sinceramente eu não tenho, já me perguntaram de onde virá o dinheiro? Respondi, que eu tenho muitos amigos, os Gnomos, os Elfos e todos os elementais. Riram-se muito de mim e da minha resposta. Se isso me incomoda? Não. Os meus filhos acreditam em mim e eu acredito naquilo que acredito. O resto? Não existe!!!


Nunca deixem de acreditar em algo que vos vem do fundo de vocês mesmos só porque não se encaixa na sociedade, não deixem que vos matem as vossas certezas, porque simplesmente as qualificam de sonhos. Sonhar para mim, é quando algo é inatingível, impossível de realizar a não ser por um milagre. Mas quando acreditamos mesmo em algo que vem do fundo de nós, que nos está enraizado na alma, meus amigos deixem que vos diga, isso não é nenhum sonho, isso é a vossa realidade nua e crua! Lutem por ela, por mais estranha que pareça, por mais que vos digam que nunca vai ser possível concretizá-la, lutem, pois no fim da estrada ela estará lá à vossa espera. E o vosso contentamento e sorriso encherão o mundo de glória, pois nesse momento vocês terão alcançado a Paz porque que tanto lutaram!!!
MIA PÚRPURA.

MUITA LUZ!

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

CONFÚCIO

"Guardando silêncio quando deve falar, o homem pode perder-se. Falando quando deve ficar silencioso, perde as suas palavras.           O homem sábio é cuidadoso em observar uma coisa e outra."
Confúcio


MUITA LUZ!

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

É O GRANDE ESPÍRITO GAIA QUEM ESCREVE...


Amados Filhos Meus, 
Partes de Mim Mesma, Filhos do Meu Coração. Coração dos corpos físicos que usam como Seres Eternos que Sois, não temam.
Não sou uma parte separada neste sistema solar de Tudo Que Existe Em Expansão. Sou uma de Suas partes. 
Comigo Sois agora em meu chão e em minhas atmosferas, em mais Um destes inimagináveis Ciclos. Em que o tempo passa cada vez mais rápido, porque vai deixando de medir distância. E o passado vem juntando-se ao presente. Este sim, um grande Presente para vocês, filhos meus.
Meu grande coração está disparando em seu pulsar. Mas meu choro é de alegria. 
Infinita alegria de poder vos oferecer mais uma vez, o que Sou.
Sem as chagas que provocaram e provocam em mim, um grande sofrimento. Sofrimento físico e mais ainda, sofrimento do grande coração de Mãe de vosso reino. Reino que Habitais fisicamente.

Um grande Mestre que amais diz agora: Há muitas moradas, esta é Vossa morada. Ele me faz chorar e sou grata pelo choro que cura minhas chagas. 
Assim como Vosso choro cura Vossas chagas.
Lembrar-vos-ei agora o que esquecestes porque o Mestre da Fé assim me diz:
Muito já lestes em tudo que foi dito e exemplificado.
Agora é o tempo de se lerem a Si próprios. Ler o que Vós Sois, não o que dizem que sois.
Eu Sou a Real Fé porque creio em Mim. Existo, porque creio em Mim.
Crede em Vós, e relembrarão o Real sentimento da Fé. 
Verão então que a realidade do Vosso Coração não são as vossas múltiplas personalidades.
Vossos Corações Reais são plenos de Tesouros Inalienáveis. 
Queiram ou não, uma Nova Sociedade está em formação. São os vossos próprios Anseios.
Até que outros meios sejam criados, o que realmente teriam para oferecer sem energia eléctrica? Sem dinheiro?
De todos os Tesouros que a Fé lhes mostrará, qual o que lhe traria maior prazer ao oferecer?
Em minha derradeira encarnação, escrevi uma idéia. Chamou-se Utopia.
Muito Me honraria se quiserem melhorá-la, para estes tempos. Vocês têm os meios para isso. E em outros que o desejarem.
Porque agora, tendes ainda os meios eletrônicos para - entre si - trocarem idéias. Idéias entre Almas eternas. Não mais como seres mortais.
Pouco tempo, mas têm.
Praticai, para que se torne telepatia no início e a simples troca de sentimentos depois.
E então conhecerão o Paraíso.
Aí mesmo, no Planeta Azul.
Então o Guardião de Vosso Mundo, comovidamente, dançará com a Sua Mãe como Par da primeira Valsa, que abrirá a grande festa. Tocada por uma grande orquestra, com o som de instrumentos naturais.


Miriam Carvalho 
(Colaboradora do site Somos Todos Um)

MUITA LUZ!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...